Bentô 12: Onigiri, hamburger, vagem

Esse é um bentô simples, montado rapidinho com coisas que eu tinha no freezer. Vale fazer algumas notas.

Onigiri: arroz branco com espinafre, mais um de arroz integral.

Para o onigiri com espinafre, escalde o espinafre, folhas e caules, até ficar macio. Escorra e drene bem, para tirar o excesso de líquido (eu aperto na mão, mesmo, mas pode usar uma peneira se quiser). Pique bem pequeno, e misture ao arroz recém cozido, com cuidado para não amassar os grãos. Aí, é só fazer os onigiris e comer/empacotar/congelar.

Já o onigiri de arroz integral leva um pouco mais de tempo. Para fazer onigiri, o arroz precisa estar na consistência ideal – grudento mas não empapado, com os grãos bem definidos. Isso é um pouco complicado de acertar em panela comum. Se você tem uma daquelas panelas de arroz japonesas com regulagem para Genmai (arroz integral japonês), não terá problemas. Eu não tenho, então, aprendi que dá pra fazer na panela de pressão (mas aceito uma panela japonesa de presente, se quiserem me dar!).

Arroz japonês integral na panela de pressão
– duas xícaras de arroz japonês integral
– duas xícaras e meia de água fria
– pitada de sal

Lave e escorra bem o arroz. Coloque na panela de pressão com a água fria e o sal, e deixe de molho por ao menos uma hora (pode deixar durante a noite). Feche a panela, leve ao fogo, e assim que pegar pressão, deixe em fogo baixo por 20 minutos. Desligue, tire a pressão (ou espere despressurizar sozinho) e está pronto, arroz integral na consistência perfeita para onigiri. As instruções do onigiri são as mesmas para o arroz branco. Essa medida dá pra uns 8 a 10 onigiris pequenos, e eu sempre faço vários de uma vez pra congelar.

Vagem: Marinada com limão, sal, açúcar e um pouco de pimenta.

Atualmente, é a minha forma preferida de preparar vagem-manteiga para bentô. Lave, pique e ferva rapidamente as vagens; misture-as ainda quente, em um pote de vidro, com suco de limão (ou vinagre), açúcar, sal e um pouco de pimenta. Deixe marinando algumas horas (ou durante a noite) antes de consumir, e elas duram pelo menos uns três dias na geladeira.

Hamburger: Caseiro, receita aqui.

Salada: Alface e tomate, simples.

Bentô 5: Onigiri, miniburgers, seleta de legumes

Tão colorido!

Onigiri: Três onigiris pequenos, dois recheados com umeboshi, um sem recheio, temperado com uma mistura de cebola, alho e salsa desidratada. Veja aqui como fazer onigiri.

Miniburgers: congelados. Veja aqui como fazer miniburgers.

Tamagoyaki: “recheado” com um pouco de furikake (industrializado, mesmo). Veja aqui como fazer tamagoyaki.

Seleta de legumes: congelada, descongelei na frigideira com um pouco de azeite. Nem coloquei sal, porque os demais componentes do bentô já tinha sódio o suficiente (carne, umeboshi, furikake industrializado, omelete, os próprios onigiri). Legumes congelados são uma opção excelente para quem faz bentô. Nem sempre dá pra passar todo dia no mercado para comprar vegetais frescos, ou nem sempre dá tempo de prepará-los. Pra essas ocasiões, mantenho vários tipos e combinações de legumes congelados no freezer. Dê uma olhadinha na seção de congelados da próxima vez que for ao mercado.

Onigiri

Onigiri, também chamado de omusubi, não é nada mais que arroz prensado levemente salgado. É considerado “confort food” no Japão, e é comido com as mãos (como um sanduíche). São muito comuns em piqueniques e lanches ao ar livre.

Onigiri um elemento muito prático para marmitas em geral porque concentra sua porção de arroz de forma a liberar espaço para os outros alimentos. Além disso, pode ser moldado de infinitas maneiras diferentes, o que faz dele estrela em boa parte desses bentôs decoradinhos que se vê por aí.

É muito fácil fazer onigiri. Porém, você PRECISA usar arroz japonês. O arroz agulhinha, o mais comum no Brasil, não é grudento o suficiente. Lembre-se: arroz japonês é uma variedade específica, e não arroz empapado.

Eu, que não sou pró, em geral uso forminhas triangulares próprias para onigiri para que eles fiquem bonitinhos. Eventualmente faço na mão mesmo, mas ainda preciso melhorar minhas habilidades escultóricas (hehe). Você pode fazer apenas com arroz e sal, ou rechear com o que quiser – a dica é usar elementos que não soltem muito líquido (para não vazar na hora em que você apertar o arroz), e que tenham um sabor marcante – salgado ou ácido – que contraste com o sabor suave do arroz. Conservas em geral funcionam bem. Conforme eu for testando, postarei sugestões.

Os recheios mais tradicionais para onigiri são umeboshi (ameixa japonesa em conserva), salmão salgado (muito comum no Japão, raro por aqui) e uma mistura de flocos de peixe bonito com shoyu, que eles chamam de okaka.

Para fazer o onigiri basicão:

Utensílios
– Espátula ou colher
– Tigela com água fria
– Forminhas para onigiri (opcional)

Ingredientes
– Arroz japonês cozido, ainda bem quente (veja como preparar o arroz da maneira correta)
– Sal (se possível em um saleiro, para facilitar)
– Opcionais: Neste caso, umeboshi para rechear, uma mistura de cebola, alho e salsa desisdratada para decorar/temperar), um pedaço de nori para decorar.

Como podem ver na foto, usei a forminha. É só colocar o arroz, apertar e tirar.

Para fazer na raça, molhe a mão (impecavelmente limpa, ok?) com água fria, adicione uma pequena quantidade de sal na sua palma, coloque uma porção de arroz e modele o onigiri, com a palma e os dedos. Mesmo quando uso a forma, aperto e dou uma ajustada no formato com as mãos.

O arroz tem que estar bem quente – o mais quente que você aguentar! – para que ele pegue bem a forma. Tome cuidado para não apertar demais; a idéia é que os grãos fiquem unidos mas permaneçam grãos, e não virem purê de arroz.

Ao invés de sal, você pode usar gomashio (gergelim com sal) ou algum tipo de furikake; nesse da foto, eu usei uma mistura de cebola, alho e salsa desidratada (bem pouquinho, porque é forte!), fácil de achar na parte de temperos da maioria dos supermercados.

Se for rechear, abra um espaço na porção de arroz na forminha (ou na sua mão) com uma colherzinha e acrescente o recheio. Nesse caso usei umeboshi, que está escondida em um dos onigiris, mas aparente no outro.

Aí estão eles. Pode comer ainda morno, em temperatura ambiente ou gelado. Pode fazer triangular (tradicional), redondo, quadrado, em forma de ursinhos ou hello kitties. Pode cozinhar o arroz com algum corante alimentício (natural ou aritificial), ou misturar legumes e verduras picadinhas no arroz cozido para dar cor.

Congelando onigiri

Arroz congela muito bem, e você pode congelar os onigiris prontinhos, inclusive com recheio, para ter só o trabalho de descongelar na hora de montar o bentô. O truque é, tanto para o onigiri quanto para porções individuais de arroz, embalar ainda quente para manter a umidade. Quando faço onigiri, geralmente faço em grande quantidade pra congelar, e organizo a linha de produção para já fazer e embalar antes que esfriem. Embrulho em papel filme, como está na foto.

Você pode descongelar no microondas; tire do plástico (muito importante!!!) e cubra enquanto descongela, para o arroz não ressecar.